CHOCOLATE

The Bean / O Grão-Amêndoa

English:

THE BEAN

Criollo, Forastero and Trinitario.

The Criollo beans are the most prized of these three varieties. Fine and complex in flavour but challenging to grow requiring extra care and protection.

The Forastero is the most used variety in world’s cocoa production. Full chocolate flavour but less complex in the final notes of the palate. Disease resistant and high yield.

The Trinitario is a hybrid of the two varieties and has high yield and resistance characteristics of the Forastero and flavour depth characteristics of Criollo.

These three main varieties of cocoa are universally used as a classification of Theobroma cacao, the cocoa tree, and the cocoa bean. There are many subspecies deriving from these three main varieties.

Based on genetic variations other classifications may do better justice to existing genetic diversification. As an example, in Juan C. Motamayor research (Geographic and Genetic Population Differentiation of the Amazonian Chocolate Tree, 2008), the following 10 groups are used to classify cocoa in the Amazon basin; Amelonado, Contamana, Criollo, Curaray, Guiana, Iquitos, Marañon, Nacional, Nanay and Purús.

The complexity increases when cultivars (varieties produced in cultivation by selective breeding) are added to the environmental variability of different geographical origins of the world. There is also the isolation factor of some regional pockets, like the island of São Tomé in Africa, where human history, climate and geography have created a distinct character.

 

Português:

O GRÃO / AMÊNDOA

Criollo, Forastero e Trinitario.

O grão/amêndoa de cacau Criollo é a mais valorizada das três variedades. Tem um sabor refinado e de grande complexidade mas é um desafio no cultivo, requerendo cuidados extras e proteção ambiental.

A variedade Forastero é a mais usada na produção mundial de cacau. Sabor intenso a chocolate mas com menos complexidade nas notas finais do paladar. Resistente a doenças e de alto rendimento produtivo.

O Trinitario é um híbrido das duas variedades e tem características de alto rendimento e resistencia do Forastero e complexidade de sabor característico da variedade Criollo.

Estas três variedades principais de cacau são universalmente usadas como classificação de Theobroma cacao, o cacaueiro e grãos/amêndoas de cacau. Há muitas subespécies que derivam de estas três variedades principais.

Com base em variações genéticas outras classificações talvez façam mais justiça à diversificação genética existente. Por exemplo, na pesquisa de Juan C. Motamayor (Geographic and Genetic Population Differentiation of the Amazonian Chocolate Tree, 2008), os 10 grupos seguintes são usados para classificar cacau na bacia amazónica; Amelonado, Contamana, Criollo, Curaray, Guiana, Iquitos, Marañon, Nacional, Nanay e Purús.

A complexidade aumenta quando os chamados ‘cultivares’ (variedades obtidas no cultivo de reprodução selecionada) são expostos à variabilidade de ambientes de diferentes origens geográficas no mundo. E há também of fator do isolamento em certos nichos regionais, como a ilha de São Tomé em África, onde a história humana, o clima e a geografia criaram um carácter distinto.